TODOS SOMOS PIPOCA – Carnaval de Salvador

Faça parte da maior associação de música e artes do brasil

ASSOCIE-SE

Faça parte da maior associação de música e artes do brasil


ASSOCIE-SE PESQUISA DE OBRAS CADASTRO DE OBRAS ISRC
VOLTAR

TODOS SOMOS PIPOCA – Carnaval de Salvador

Por Linhas Comunicação

Considerado um dos maiores carnavais de rua do mundo, Salvador abre seus cordões e deixa a folia correr solta pela avenida. E a ABRAMUS esteve lá com seus associados.

Carnaval dos trios elétricos começa a abrir espaço para mais pessoas sem abadá

O Carnaval de Salvador já faz parte do calendário oficial, sendo um dos eventos mais aguardados do ano. Em 2015, o axé comemora 30 anos de existência e, para celebrar o ritmo, os foliões mais uma vez tomaram as ruas dos circuitos Dodô (Barra-Ondina), Osmar (Campo Grande-Avenida Sete) e Batatinha (Centro Histórico), durante os seis dias que precederam a quarta-feira de cinzas e pelo menos cinco depois de decretado o fim dos festejos.

Desta vez, um dos destaques foi o cantor Saulo Fernandes, associado da ABRAMUS. Além de comandar o trio Cerveja & Cia durante dois dias seguidos, o artista arrastou a “pipoca” (como são chamados os foliões que participam dos blocos sem abadá) no Campo Grande. “Este carnaval foi muito bacana para diversos associados da ABRAMUS. Além do Saulo, teve a estreia da Vina Calmon à frente da Banda Cheiro de Amor”, destaca João Portela, representante da assiciação em Salvador.

Também participou da festa o grupo Alavontê, projeto idealizado pelos músicos Manno Góes, Ricardo Chaves, Rammon Cruz, Jonga Cunha, Magary Lord, Adelmo Casé, Andrezão Simões e Durval Lelys, que propõe um resgate do espírito carnavalesco. Eles foram responsáveis por trazer uma novidade para o carnaval dos trios elétricos: o “pranchão”, que chamou a atenção de todos por colocar o palco bem na altura dos foliões, permitindo com isso uma maior interação com o artista que passa na avenida.

Outra novidade foi o cantor Igor Kannario, conhecido em Salvador como o “príncipe do gueto”, que organizou um desfile sem cordas. “Podemos considerar que o principal legado deste ano foi o retorno do folião pipoca às ruas, que antes eram tomadas somente pelos grandes trios elétricos de blocos com corda”, conclui Portela.

Bahia_Carnaval

(Foto: DR – Direitos Reservados)

SIGA-NOS NAS
REDES SOCIAIS

ASSINE NOSSA NEWSLETTER