Vanusa, uma voz para a eternidade.

Faça parte da maior associação de música e artes do brasil

ASSOCIE-SE

Faça parte da maior associação de música e artes do brasil


ASSOCIE-SE PESQUISA DE OBRAS CADASTRO DE OBRAS ISRC
VOLTAR

Vanusa, uma voz para a eternidade.

Foto: Direitos Reservados

Publicado em 09/12/2020

Vanusa nos deixou aos 73 anos. Relembre a carreira da inesquecível artista.

Uma voz marcante se calou. Vanusa se despediu de nós para se juntar à constelação de astros e estrelas eternizados na história da nossa música. A artista se foi, porém permanece viva através de um legado imortal que vamos relembrar agora.

Nascida no interior de São Paulo, na cidade de Cruzeiro, Vanusa foi criada nas cidades mineiras de Uberaba e Frutal. Já aos 16 anos começou a cantar e encantar as pessoas com a voz forte, de  timbre marcante, que a destacou por toda a carreira.

Integrante dos últimos anos da Jovem Guarda, Vanusa apareceu para o grande público pelo primeira vez no programa “O Bom”, de Eduardo Araújo, na extinta TV Excelsior de São Paulo. O primeiro sucesso veio com a canção “Pra Nunca Mais Chorar” (Eduardo Araújo e Carlos Imperial).

Logo na sequência, em 1968, gravou o primeiro álbum. “Vanusa” marcou sua estreia como compositora e é considerado um clássico romântico, que todos deveriam ouvir. Como não lembrar de “Que Você Está Fazendo Neste Lugar Tão Frio”?

Alguns anos mais tarde, gravou mais dois dos seus grandes hits inesquecíveis: “Manhãs de Setembro”, de Mário Campanha, e “Paralelas”, de Belchior.

A mesma época ficou marcada por suas participações na TV. Integrou o elenco de “Os Adoráveis Trapalhões” ao lado de Renato Aragão e posteriormente atuou nas novelas: “Cinderela 77” (Rede Tupi), “Marron Glacê” e “O Amor É Nosso”, ambas da Rede Globo.

Foram 23 álbuns e incontáveis sucessos. Outros destaques da sua trajetória são: a autobiografia “Vanusa – A Vida Não Pode Ser Só Isso!” de 1997 e, mais recentemente, o primeiro álbum de inéditas em mais de 20 anos “Vanusa Santos Flores”, produzido por Zeca Baleiro em 2015.

Foto: Direitos Reservados

Recomendamos ouvir o primeiro, de 68, e em sequência o de 2015, para experimentar todo o talento e desenvolvimento desta artista ímpar.

Vanusa certamente deixa muitas saudades. Independente, determinada e livre, foi e continuará sendo inspiração para os que seguem sua luta feminista e por igualdade. Sua postura corajosa de lutar pela liberdade de expressão ficará marcada para sempre.

O mundo da arte e todos os amantes da boa música se despediram com pesar no coração. Mas Vanusa vive em todos nós que continuamos amando seu trabalho e sua história. Essa é a nossa singela homenagem a essa inigualável artista.

Foto: Direitos Reservados

SIGA-NOS NAS
REDES SOCIAIS

ASSINE NOSSA NEWSLETTER