Sintonizando com Cara de Cobra

Faça parte da maior associação de música e artes do brasil

ASSOCIE-SE

Faça parte da maior associação de música e artes do brasil


ASSOCIE-SE PESQUISA DE OBRAS CADASTRO DE OBRAS ISRC
VOLTAR

Sintonizando com Cara de Cobra

Foto de fundo: Rodrigo Sodré

Publicado em 21/08/2020

Um dos elementos mais marcantes da música brasileira é o ritmo. Independente do estilo, existe uma forma peculiar de tocar que faz os instrumentistas nacionais figurarem entre os melhores e serem referência para novos músicos. Em entrevista exclusiva, conversamos com o instrumentista e produtor musical Cara de Cobra, que nos fala sobre a sua carreira, experiências e parcerias de sucesso, que fazem jus a sua musicalidade única.


Foto: Direitos Reservados

O Timbal, instrumento de origem africana, fez-se presente no Brasil em meados do século passado e tornou-se popular nos anos 90. Como conheceu o instrumento e qual foi o seu primeiro contato?

O meu primeiro contato com o Timbal foi através do meu pai, de apelido Ceguinho, que era percussionista e tocava samba de roda. Além dele, os mestres Boltino, Sérgio Bem-te-vi, Anisinho e Cláudio, foram as minhas referências no instrumento. Posteriormente, o contato mais didático, onde aprendi todas as técnicas para tocar, foi com Carlinhos Brown, que foi meu professor e que me iniciou num estudo mais profundo.

Carlinhos Brown foi um dos responsáveis por sua popularização a partir do Timbalada, grupo do qual fez parte. Foi a sua porta de entrada para a música?

Eu comecei num grupo percussivo do Candeal chamado Vai Quem Vem,
formada pelo Carlinhos Brown, que futuramente formaria o Timbalada, grupo do qual também fiz parte. Após a minha saída segui carreira solo e participei da gravação do primeiro CD solo do Carlinhos, Alfagamabetizado, que permitiu que outros artistas me conhecessem como percussionista.

Ser instrumentista é ter a possibilidade de transitar por diversos estilos. Tendo tocado ao lado de grandes artistas do axé, do sertanejo e do gospel, o quão importante é entender linguagens musicais diferentes e de que forma essas experiências agregaram em sua forma de tocar?

Eu sou um percussionista de rua e tocava em bandas de Axé Music. Então foi uma experiência muito boa tocar outros gêneros musicais e gravar com o Luan Santana e Thalles Roberto, por exemplo. E isso foi possível, passear por vários estilos, porque com Brown aprendi a tocar cada um deles, o que foi muito bom para mim.


Foto: Rodrigo Sodré

Além de músico você também é produtor musical. Como essa vertente passou a compor as suas atividades profissionais?

Quem me inspirou em Produção Musical foi Alexandre Lins, que era o produtor da Ivete Sangalo à época. Eu o olhava produzindo e isso me trouxe o gosto pela profissão e então fui estudar. Logo tive minha primeira produção, que foi o CD da cantora baiana Viviane Tripodi. Em seguida, da cantora cuiabana Paula, da também baiana Gilmelândia em dois trabalhos, do cantor gospel Séo Fernandes, “Graça, Tambor e Cordas”, que foi a minha realização como produtor musical chegando a tocar a nível Brasil e depois do Marcos Freire. Esse, um projeto muito bonito que produzi e depois
muitos outros trabalhos também no segmento gospel. E o último que produzi foi o do Netinho com os amigos Hilton Mendes e Jorge Meirelles. Sou foi muito feliz por ter produzido grandes artistas tanto do meio secular quanto do gospel. Sou muito grato à Deus por isso.

Atualmente você leciona online. Quais as dicas para quem deseja seguir carreira na música?

Falo para os alunos que é preciso haver dedicação ao instrumento, ao Timbal. É um instrumento que eu amo muito e tenho muita dedicação por ele que me levou para o mundo. Hoje eu sou conhecido mundialmente por causa dele e eu falo para todos que é um instrumento maravilhoso e para quem quiser aprender que estou lecionando online, dentro de casa, e estou aqui para ensinar a todos que quiserem aprender as técnicas desse instrumento que é tão especial.


Hoje, o meu Timbal é um dos mais vendidos no Brasil e no mundo. Tenho uma marca com o meu nome o Timbal Contemporânea Cara de Cobra Signature. Gostaria de agradecer a Contemporânea por ter me dado a oportunidade de produzir um Timbal com a minha marca, a equipe da Abramus por me dar a oportunidade de participar dessa entrevista e, primeiramente, a Deus, meus pais, Carlinhos Brown que foram fundamentais para que eu chegasse até aqui.


Confira alguns destaques do trabalho do Cara de Cobra:

Cara de Cobra e Alisson Max incrivelmente lascando tudo no timbal “BELAS FRASES”

Cara de Cobra e Jean Michell groovando no studio

Lançamento timbal signature cara de cobra da Contemporânea.

Siga o Cara de Cobra:
Instagram
YouTube


Foto: Direitos Reservados

SIGA-NOS NAS
REDES SOCIAIS

ASSINE NOSSA NEWSLETTER