O Beabá do Sol-Lá-Si

Faça parte da maior associação de música e artes do brasil

ASSOCIE-SE

Faça parte da maior associação de música e artes do brasil


ASSOCIE-SE PESQUISA DE OBRAS CADASTRO DE OBRAS ISRC
VOLTAR

O Beabá do Sol-Lá-Si

Música é bom demais. Porém, música boa vem da mistura de talento e técnica apurada, fruto de muito estudo e preparo. Então conheça 5 sinais de que você pode estar estudando música de forma errada, ajudando a evitá-los e a acelerar o seu aprendizado.

Estamos sempre em busca de conteúdo com valor para os nosso associados. Como falamos de músicos, encontramos um ótimo material que a equipe do Terra produziu sobre o estudo da música, prática que todo profissional e amador deve manter por toda a vida, afinal, aprendizado contínuo é o que refina o talento e eleva sua música a novos patamares.

Reunindo três especialistas, Kiko Bragamonte, educador musical; Mateus Starling, músico formado na “Berklee College of Music”; e João de Paula , o experiente instrutor de bateria do Cifra Club, formularam uma lista com 5 possíveis erros que podem estar atrapalhando a evolução da sua música.

 Então vamos lá!

1 – Dores e incômodos

Parece meio óbvio, mas muitas pessoas, principalmente os iniciantes, acreditam que a dor ao tocar um instrumento é parte do processo de aprendizado. Grande erro!

Se as dores e incômodos  são constantes nos dedos, nas mãos, nos punhos e/ou nos braços, saiba que há algo de errado. Entre as possíveis razões se destacam:

  • Postura não ergonômica em relação ao instrumento. Se você concentra muita força na mão que usa para fazer os acordes, toda a região sentirá os reflexos. Tente relaxar um pouco.
  • Não fazer alongamentos antes de começar. Dica simples que pode ter um grande impacto, principalmente para longas sessões de estudo.

Importante ressaltar que em caso de dores muito fortes e aparentemente incuráveis, procurar a ajuda de um médico ortopedista é a coisa certa a se fazer. E vamos deixar a dor só no lado metafórico, para servir de inspiração na composição de sofrências e outras odes aos corações partidos.

2 – Queima de etapas

Tenha calma, jovem gafanhoto!  Assim como Daniel Larusso, que precisou encerar muitos carros e pintar muitas cercas, antes de se tornar o astro em Karate Kid, o iniciante precisa controlar a ansiedade e não queimar as etapas básicas.

Por mais que bata aquela vontade de querer fazer igual aos ídolos das suas músicas favoritas, você provavelmente vai se deparar com uma complexidade acima do seu conhecimento ao acessar as cifras, o que pode frustrá-lo.

Então tenha calma, toda etapa é valiosa, por mais banal que possa parecer. Respire fundo, escolha um repertório dentro da sua condição técnica e vamos só no sapatinho. Aos poucos você chega lá.

3 – Confusão acerca de fundamentos básicos

Lembra aquela história de não queimar etapas? Então, o básico, como o nome diz, é fundamental para ser a base de toda a sua formação. Valorize-o!

Coisas simples como duração de tempo e compasso, tem um grande impacto em todo o processo musical, mas muitas vezes não recebem a atenção devida. Aprenda bem, estude os pequenos detalhes, se familiarize com eles e, em pouco tempo, vai conseguir improvisar mais, aumentar o repertório e se desenvolver no ritmo certo, avançando em cada etapa com menos dúvidas.

4 – Desânimo com progresso

Nem tudo são flores. Algumas vezes bate um desânimo com o progresso (ou falta de) nos estudos. Entre as soluções, a escolha do conteúdo que será aprendido pode te dar um novo gás.

Diferente do colégio e faculdade, onde somos forçados a aprender matérias que não temos afinidade, na música, a paixão e emoção é o que fala mais alto. Se você quer aprender porque gosta muito de um determinado instrumento ou tipo de música, use isso!

Comece pelos repertórios, técnicas e métodos que tenham uma conexão emocional com você e seus gostos. Com o passar do tempo, as percepções mudam e ajustes podem ser necessários, mas o importante é manter o interesse e a vontade sempre bem aquecidos.

5 – Estacionado na zona de conforto

Atenção! Quando os exercícios tecnicamente simples e as falas do professor não aguçam mais a sua atenção, parecendo que não há mais pra onde evoluir, você pode estar entrando na zona de conforto.

Cuidado! É hora de se mexer e encontrar outros caminhos. Converse com o professor, busque outras fontes, intercale outras técnicas e fundamentos mais agradáveis com os que estão te incomodando, enfim, dê um jeito de não parar.

Ficar na zona de conforto, não se desafiando constantemente em evoluir é um caminho para se tornar um músico relativamente limitado. Não caia nesta armadilha!

Continue a tocar!

A música é uma terapia,que  faz bem tanto para os que ouvem (veja mais), quanto os que tocam. Tocar um instrumento, compor, cantar, fazem parte de uma expressão muito íntima de cada um. Se você decidiu aprender um instrumento, é porque há algo aí dentro que quer sair. Use as dicas, veja se podem corrigir algum erro que estava cometendo, não desanime e siga em frente. Música é bom demais.

Fonte: Terra

SIGA-NOS NAS
REDES SOCIAIS

ASSINE NOSSA NEWSLETTER