40 Anos do Walkman.

Faça parte da maior associação de música e artes do brasil

ASSOCIE-SE

Faça parte da maior associação de música e artes do brasil


ASSOCIE-SE PESQUISA DE OBRAS CADASTRO DE OBRAS ISRC
VOLTAR

40 Anos do Walkman.

Por incrível que pareça, houve uma época em que ouvir música e se movimentar de um lugar para o outro não era tão simples. Isso mudou com a chegada de uma nova tecnologia, batizada com um nome bem direto, que se tornou um ícone: o Walkman!

Filho da Ópera

A ideia de um dispositivo de música portátil veio dos executivos japoneses da Sony. Em seus longos voos internacionais sentiam a falta de uma forma de ouvir suas apreciadas óperas. Mal sabiam eles, que esta necessidade tão pontual, aparentemente banal, seria o embrião de uma revolução musical. 

Desta demanda, foi lançado no Japão, em 1979, o TPS-L2, ainda sem o nome que o tornaria famoso e entraria para a história. Foi só depois de chegar em mercados internacionais, e algumas tentativas não tão bem sucedidas (“Stoawaway” na Inglaterra e “Soundabout” nos EUA), que acharam o termo perfeito para interpretar o que este aparelho realmente significava.

Inspirado no gravador portátil “Pressman”, febre entre os jornalistas dos anos 70, “Walkman” ganhou popularidade, vendeu claramente um novo conceito de consumo de música e se tornou sinônimo de som portátil, mesmo com a chegada de seus concorrentes.

Assim como Bombril, Cotonete, e outros poucos produtos, o nome Walkman representa a ideia e o segmento inteiro do mercado. Não é à toa que está no dicionário e, mesmo com as mudanças de tecnologia que se seguiram desde seu lançamento, é usado até hoje pela Sony.

Transformação na Mídia

Nem o mais otimista dos executivos da empresa japonesa imaginava os impactos que seu produto teria na indústria fonográfica. Por mais que houvesse uma expectativa em recuperar, mesmo que parcialmente, as perdas que o formato em betamax de vídeo causaram, o que alcançaram foi muito maior.

O Walkman é o grande responsável pela popularização do formato em fitas cassete, que possuía o trunfo de permitir fazer suas próprias seleções musicais (avó das playlists!) e em 1983 ultrapassou de vez as vendas dos mais que consolidados discos de vinil.

Da Dúvida ao Sucesso

Nem tudo eram flores no começo. As vendas iniciais foram de apenas 3.000 unidades, o que não cobria nem os custos de produção. Para virar o jogo, uma estratégia ousada foi implementada com os próprios funcionários da empresa como garotos propaganda.

Usando o produto no dia-a-dia e demonstrações de funcionamento, rapidamente despertaram o interesse e a curiosidade dos consumidores. Deu certo! No melhor formato boca a boca, a tecnologia se popularizou e precisou inclusive ter seu lançamento adiado fora do Japão, tamanha a demanda. 

Em seu auge, vendia 50 mil unidade só no Japão. Em todo o mundo foram vendidas 385 milhões de unidades (números de 2009), mostrando claramente o sucesso que se tornou.

Além da Portabilidade

Ser portátil era o grande diferencial do Walkman. Por isso era direcionado aos jovens e praticantes de atividade física no começo dos anos 80. Responsável, ou não, pelo aumento significativo de pessoas que passaram a caminhar e correr desde então, o Walkman significa uma mudança ainda maior no consumo de música.

Portabilidade já existia em alguns pequenos rádios e até nos famosos Boomboxes. Porém, o Walkman deu ao seu usuário algo mais, a privacidade. Não era mais necessário incomodar e impor aos outros o seu gosto musical. Agora era possível ouvir o que você queria fora de casa, dando uma nova amplitude para o significado da portabilidade, mesmo que com algumas preocupações…

Curiosamente Akio Morita, um dos fundadores da Sony, não gostava nem do nome, nem desta “privacidade”. Ouvir música sozinho, se isolando com os fones de ouvido e fugindo do convívio social, soava rude para ele, um pecado na cultura nipônica.

Com medo do fracasso comercial do produto ainda em desenvolvimento, sugeriu duas curiosas modificações: uma saída de áudio extra, para mais um  fone de ouvido, e o botão “hotline”, que imediatamente diminui o volume do som e permite interagir melhor com o mundo ao redor.

Legado Inquestionável

Ao longo dos seus 40 anos, o Walkman acompanhou a mudanças tecnológicas. Viu a chegada dos CDs, transformando-se no popular Discman. Nos anos 2000,  em telefones celulares e tocadores de mp3, levou seu nome, dando chancela e atestando superioridade. Até hoje batiza DACs e outros reprodutores de áudio digital de alta qualidade.

Seu legado está aí, vivo. Na próxima vez que você pegar seu smartphone, abrir seu app de streaming, escolher sua playlist e começar a ouvir sua música em seus fones bluetooth, pare um segundo e agradeça aos longos voos internacionais e à beleza das óperas. O Walkman merece!

SIGA-NOS NAS
REDES SOCIAIS

ASSINE NOSSA NEWSLETTER