Fim dos Downloads?

Faça parte da maior associação de música e artes do brasil

ASSOCIE-SE

Faça parte da maior associação de música e artes do brasil


ASSOCIE-SE PESQUISA DE OBRAS CADASTRO DE OBRAS ISRC
VOLTAR

Fim dos Downloads?

Com as novidades anunciadas pela Apple, muito se fala sobre a “morte” do iTunes. Entenda o que de fato muda dentro do Apple Music.

O iTunes é um serviço consagrado de música. Qualquer usuário de aparelhos Apple tem nele como sua referência de consumo e armazenamento de suas músicas favoritas. Um dos pioneiros no mercado de downloads, rapidamente se tornou uma autoridade em downloads legais, o que na época era raro.

Porém, as mudanças sempre chegam e é preciso se adaptar. Vivemos a era do streaming e a Apple não fica de fora disso. Com o lançamento da Apple Music, vem buscando correr atrás do Spotify, mas neste momento precisa enfrentar as preocupações de seus fiéis usuários do iTunes.

Primeiramente, calma! Não, sua biblioteca de músicas do iTunes não acabou. O serviço que lentamente foi perdendo espaço para o irmão mais moderno, ainda terá uma pequena sobrevida. Neste primeiro momento, o Apple Music vai englobar o serviço antigo, mantendo suas funcionalidades e pouco a pouco adaptando os usuários ao seu fim. Uma transição com poucas dores, para evitar perder usuários para os concorrentes. Suas músicas estão salvas!

E os downloads, acabaram? Ainda não. A Apple vai continuar incentivando a compra e venda de música neste modelo, pois é uma fonte de receita atraente. Porém, não se iluda. O foco da empresa é o streaming. Definitivamente o mercado mostrou na última década que é mais partidário do “aluguel” das músicas do que a propriedade dos arquivos. 

O “fechamento” suave do iTunes só evidencia que estamos chegando de fato ao fim da era dos downloads. O grande ícone da venda de música digital se despede timidamente, marcando mais esta etapa da transição do mercado. 

Seu legado entretanto vai ser levado dentro dos serviços restantes da empresa. Apple Music (com seus downloads e catálogo musical de mais de 50 milhões), Apple TV e Apple Podcast dividirão os recursos de seu predecessor. Buscam assim ganhar força dentro deste mercado extremamente competitivo e, simbolicamente, mantendo viva a memória do iTunes e o papel importante que desempenhou nestes 18 anos no mercado fonográfico.

SIGA-NOS NAS
REDES SOCIAIS

ASSINE NOSSA NEWSLETTER