Casas noturnas do Rio não pagam direitos autorais

Faça parte da maior associação de música e artes do brasil

ASSOCIE-SE

Faça parte da maior associação de música e artes do brasil


ASSOCIE-SE PESQUISA DE OBRAS CADASTRO DE OBRAS ISRC
VOLTAR

Casas noturnas do Rio não pagam direitos autorais

Levantamento divulgado pelo Ecad mostra que compositores são prejudicados por não receberem dívida que chega a R$ 4,37 milhões

Rio – Das 17 casas noturnas da Barra da Tijuca, da Zona Sul e do Centro do Rio registradas no Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad), nove devem direitos autorais para execução pública de músicas. Ou seja, praticamente a metade. Segundo a instituição, responsável pelo recolhimento e pagamento de valores a artistas e compositores, a dívida totaliza cerca de R$4,37 milhões. Quatro estabelecimentos não honram o compromisso desde 2012.

A lista, divulgada pelo Ecad, aponta que o valor de débito mais expressivo está concentrado na Barra. De acordo com o levantamento, Barra Music, Padano e Zax Club devem, juntas, mais de R$ 3,3 milhões.

Em agosto, o Barra Music foi condenado pela Justiça a pagar direitos autorais por diversos eventos sem a licença autoral. A ação, no valor de mais de R$ 2,1 milhões, promovida pelo Ecad em 2012, foi julgada pela 1ª Vara Cível de Jacarepaguá.

Na Zona Sul, Mariuzinn, Solar de Botafogo e Fosfobox devem, desde janeiro, agosto e maio de 2012, respectivamente, mais de R$ 520 mil. No Centro, Teatro Odisseia, Lapa 40 Graus e Mofo Lapa acumulam débitos de cerca de R$ 550 mil desde maio de 2014, agosto e setembro de 2015.

“O recolhimento dos direitos autorais é superimportante, porque o cantor vive da execução musical e do pagamento. Quando não há pagamento, a gente tenta acordo. Quando não há, entramos com ação”, diz Marcos Costa, gerente da unidade do Ecad no Rio.

No topo do ranking das músicas mais tocadas em bares, boates e drinquerias no primeiro trimestre, estão os hits ‘Deu Onda’, de MC G15, ‘This Girl’, de Choiny Khatchoyan, Lance Ferguson e Jake Mason, e ‘Malandramente’, de MC Nandinho. Portanto, segundo Marcos, esses são os artistas mais prejudicados.

O Teatro Odisseia informou que “está em negociação com o Ecad e espera chegar a valores justos compatíveis com a realidade econômica de um espaço de médio porte”. Esclareceu que perdeu 30% de receita nos últimos anos devido à crise e ao comércio irregular das ruas da Lapa.

Advogado do Solar de Botafogo, Marcus Machado afirmou que não procede a informação de dívida do Ecad:

“As mensalidades cobradas sempre são pagas e, no momento, estamos aguardando reunião com a diretoria, desde abril de 2017, para sanar questões pendentes sobre a forma e procedimentos de cobrança. Não podemos concordar em efetuar pagamentos sem devidos protocolos diante do nosso comprometimento com a legislação vigente”, ressaltou.

O proprietário da Mariuzinn, Felipe de Souza, preferiu não se posicionar.

O DIA não conseguiu contato com as demais casas.

Fonte: O Dia

SIGA-NOS NAS
REDES SOCIAIS

ASSINE NOSSA NEWSLETTER