Sintonizando com Orlando Baron e Luis Gustavo

Faça parte da maior associação de música e artes do brasil

ASSOCIE-SE

Faça parte da maior associação de música e artes do brasil


ASSOCIE-SE PESQUISA DE OBRAS CADASTRO DE OBRAS ISRC
VOLTAR

Sintonizando com Orlando Baron e Luis Gustavo

Fotos: Direitos Reservados

Publicado em 11/12/2020.

Os produtores, arranjadores e músicos Luis Gustavo Garcia e Orlando Baron são referência na música em diferentes segmentos e com grande destaque no sertanejo. Ambos trabalharam com nomes importantes da música brasileira tendo grande destaque e reconhecimento através de diversos prêmios. 

Orlando Baron, trabalhou com grandes nomes do sertanejo, como João Bosco & Vinícius que colaborou para o sucesso na carreira e ajudou a popularizar o gênero sertanejo universitário no Brasil. É o responsável por arranjos de grandes sucessos de Luan Santana, como Meteoro e Você não sabe o que é amor. Foi indicado ao Grammy Latino 4 vezes com suas produções e recebeu o prêmio de melhor álbum de música sertaneja com o álbum “Questão de Tempo” do cantor Sérgio Reis.

Luis Gustavo já trabalhou com nomes importantes de diferentes gerações, como a dupla Chitãozinho & Xororó, lançou o grupo Tradição e trabalhou como músico  com diversos artistas como Sandy & Junior, Zezé Di Camargo & Luciano, Chrystian & Ralf, Ivan Lins, e muitos outros. Foi premiado no Grammy Latino pelo DVD Chitãozinho & Xororó 40 Anos Sinfônico (2012), onde trabalhou como músico, arranjador e diretor musical.


Fotos: Direitos Reservados

Músicos, arranjadores e produtores. Hoje vocês são referência no ramo musical em diferentes frentes do segmento. Como começaram a carreira? Imaginavam fazer o que fazem hoje?

LUIS: Comecei a tocar desde muito cedo ainda na Argentina, por volta dos 6 anos de idade, vendo minha avó tocar tangos no Bandoneon. Iniciei os estudos no violão e teoria musical nessa idade e já no Brasil eu comecei a tocar contrabaixo por volta dos 13 anos. Sempre sonhei em ser um músico de estúdio, gravar músicas com grandes nomes, fazer grandes shows e tive muita sorte de poder realizar esses sonhos. Sei que o mercado sempre foi muito disputado nesse segmento mais profissional, mas tive a sorte de encontrar grandes músicos que me ajudaram muito a me aperfeiçoar e alicerçar meu nome no mercado.

BARON: Meu gosto pela música nasceu muito cedo, aprendi a tocar cavaquinho (chorinho) com 6 anos de idade, e aos 12 já tocava violão e guitarra. Nunca me imaginei fazendo outra coisa.

São inúmeros os desafios que cercam o meio artístico em razão das várias possibilidades de atuação. Qual delas oferece um maior grau de dificuldade?

LUIS: São situações muito diferentes a de tocar, arranjar e principalmente produzir. Eu comecei a tocar em bailes e isso me ajudou muito nas gravações. Também me ajudou o fato de ter estudado teoria musical e ter uma boa leitura musical na hora de gravar o contrabaixo. Com o passar do tempo, fui adquirindo experiência em estúdio e vendo que poderia contribuir nas gravações não só com meu contrabaixo, mas também fazendo arranjos. Isso me levou também a querer dar mais um passo: o de produzir cantores. Esse, sem dúvidas, foi o maior desafio. O produtor, na época que eu comecei a produzir em meados dos anos 2000, era o elo de ligação entre o que o artista queria de suas músicas, o que o público dele gostaria de ouvir e o resultado financeiro que a gravadora precisava disso.

BARON: Como músico, arranjador e produtor musical , posso dizer que a maior dificuldade é a entrada no mercado musical. É necessário ter uma boa mistura do seu talento com as oportunidades que surgem. No meu caso, eu dediquei tudo o que eu tinha nas gravações desde o início e agarrei todas as chances que consegui.


Fotos: Direitos Reservados

Ambos são premiados por seus trabalhos ao longo de suas carreiras. O quão gratificante é, além de figurarem entre os profissionais mais requisitados, terem o trabalho reconhecido e contemplado?

LUIS: Sem dúvidas, ter o trabalho reconhecido pelo meio e a academia do Grammy é muito importante, mas nada como ver uma pessoa simples do interior se emocionar com uma música ou um arranjo que a gente tenha feito. É sensacional!

BARON: Fui indicado ao Grammy  4 vezes com trabalhos que produzi e tive a honra de receber o prêmio de melhor álbum de música sertaneja com o disco “Questão de Tempo” do cantor Sérgio Reis.  É muito gratificante esse reconhecimento porque são horas, dias, meses de dedicação. Se a sensação de ser indicado já é maravilhosa, imagina a sensação de receber esse prêmio nas mãos. Não tenho nem palavras pra descrever. É a resposta de que estamos no caminho certo.

A LB7 Produções Artísticas nasce com o intuito de oferecer soluções profissionais integradas. Em que momento sentiram essa necessidade do mercado?

LUIS e BARON: O mercado tem mudado muito nos últimos anos, principalmente com a internet. Hoje, o mundo está ao alcance de um simples click, mas com as novas tecnologias surgem novos desafios. Não há mais música sem vídeo: se você não está no YouTube, simplesmente não existe como artista. Muitos nos procuravam para fazer a produção musical, mas sempre surgia a necessidade de fazer um vídeo, mesmo que simples. As gravadoras também mudaram completamente a maneira como monetizar seus artistas. Hoje também há a necessidade de subir as músicas por agregadoras que fazem sua música chegar às plataformas digitais, responsáveis por levar o conteúdo aos ouvintes. Então, nada melhor que oferecer aos artistas um lugar onde pudessem resolver todas essas questões que antes eram feitas por diferentes empresas.

Novos nomes surgem com frequência e com eles a oportunidade de reinvenção e adaptação. Como se dá o processo criativo na formação do artista?

LUIS: Existe uma questão muito importante nesse quesito, pois as pessoas conseguem identificar nuances em seu subconsciente que muitas vezes não estão visíveis numa primeira análise. Se não há verdade no trabalho do artista, se o pulsar do seu coração não está implícito na música, dificilmente este artista chegará a um grande sucesso e se manterá por muito tempo. É preciso levar isso muito em conta.

BARON: Todo artista de verdade tem uma estrela na testa que enxergamos de longe, um diferencial. A partir daí, precisamos escolher um repertório satisfatório para lançar com força no mercado. Não temos uma bola de cristal pra saber se vai estourar ou não, mas que sabemos a estrada que tem que percorrer, isso nós sabemos.


Fotos: Direitos Reservados

Confira o backstage de “Arranjos”, de Gian & Giovani, produzido pela LB7 Music e assinado por Luis Gustavo e Orlando Baron:

SIGA-NOS NAS
REDES SOCIAIS

ASSINE NOSSA NEWSLETTER