imigran 50 mg comprimidos


buy sumatriptan online cheap


sumatriptan 50 mg cost


sumatriptan 50mg or 100mg


sumatriptan bluefish tablet omhuld 100mg


imigran price philippines


sumatriptan nasal spray cost


imigran fdt tablets 50mg


buy sumatriptan online canada


imigran cost


sumatriptan spray 20mg/act


imigran online uk


imigran cost uk


generic sumatriptan injection price


what is sumatriptan succinate 25 mg


sumatriptan succinate generic name


sumatriptan 50 mg ingredients


sumatriptan nasal spray generic


buy imigran recovery


can you buy imigran nasal spray over the counter


imigran ftab 100 mg


what is sumatriptan nasal spray used for


imigran tablets online


generic sumatriptan tablets


sumatriptan tablets


sumatriptan online pharmacy


imigran 100mg tablets


sumatriptan online india


generic sumatriptan


sumatriptan 50mg high


cheap sumatriptan injection


buy sumatriptan online


generic sumatriptan uk


where can i buy sumatriptan


sumatriptan nasal spray 20mg


what is sumatriptan


sumatriptan spray uk


buy sumatriptan injection online


ic sumatriptan succ 50 mg tablet


sumatriptan succinate 100 mg dosage


buy imigran online


sumatriptan succinate 50 mg oral tablet


buy imigran


imigran 50 mg price


sumatriptan succinate 100 mg reviews


generic sumatriptan price


imigran radis 100mg


sumatriptan 50 mg over the counter


imigran tablets for migraines


sumatriptan tablets for cluster headaches


generic sumatriptan nasal spray


imigran online pharmacy


buy imigran recovery online


sumatriptan 100 mg is it a narcotic


sumatriptan succinate purchase


imigran 20mg nasal spray


purchase sumatriptan


cheap sumatriptan


purchase imigran


imigran radis 100 mg hinta


generic sumatriptan online


what is sumatriptan succinate 50 mg tablets


sumatriptan 50 mg tabletes


sumatriptan 100mg tablets cost


imigran tablets to buy


sumatriptan online


sumatriptan winthrop 100mg preis


what is sumatriptan succinate tablets used for


what is sumatriptan succinate 100 mg used for


imigran costo


what is sumatriptan succinate used for


suminat generic imitrex imigran tablets


sumatriptan online kaufen


sumatriptan cheap online


sumatriptan succ 100 mg tablet used for


imigran tablets 100mg


sumatriptan 50mg tablets used


imigran 50 mg 2 tablet


costo de imigran


prospecto imigran neo 50 mg


sumatriptan 100 mg tab ran


what is sumatriptan succ used for


imigran price australia


imigran 50 mg dose


sumatriptan online bestellen


what is sumatriptan tablets used for


costo del imigran


where can i buy imigran recovery


what is sumatriptan succinate used to treat


imigran spray costo


sumatriptan 100 mg tabletten


sumatriptan succ 100 mg tablet price


prescription name sumatriptan succinate 50mg tab


buy imigran tablets


what is sumatriptan succ


sumatriptan back order


buy imigran online uk


sumatriptan 50mg price


order imigran online


imigran cost australia


sumatriptan 1a pharma 100mg tabletten


sumatriptan 100mg preis


imigran price malaysia


sumatriptan 100 mg tablet price


imigran online


what is the drug sumatriptan used for


sumatriptan online uk


sumatriptan 50mg dose


sumatriptan mail order


purchase sumatriptan online


imigran 50 mg pret


what is sumatriptan 50mg used for


sumatriptan 100mg bluefish


buy imigran nasal spray online


sumatriptan 100 mg wikipedia


sumatriptan 50mg tablets


sumatriptan 100mg tablets dosage


imigran injection price


sumatriptan succinate 50mg tablets


generic imigran


imigran 50 mg


buy imigran uk


how to use sumatriptan nasal spray


sumatriptan spray india


sumatriptan tablets usp 25 mg


sumatriptan nasal spray uk


sumatriptan 50 mg price


sumatriptan succinate 50 mg price


imigran 50 mg cost


order sumatriptan online


what is sumatriptan succinate tablets 50mg


imigran radis 100 mg


imigran purchase


order imigran


sumatriptan tablets usp 50 mg


imigran compresse costo


sumatriptan succinate tablets 25 mg


what is the medication sumatriptan used for


sumatriptan succinate 100 mg cost


sumatriptan succinate injection generic


order sumatriptan


imigran tablets


sumatriptan nasal spray india


imigran ftab 100mg


what is sumatriptan made of


purchase imigran online


what is sumatriptan succinate


sumatriptan buy online uk


buy sumatriptan 100 mg


sumatriptan nasal spray price


sumatriptan 100mg


imigran t 100mg


sumatriptan 50mg tablets instructions


buy imigran injection online


what is sumatriptan 50mg tablets


sumatriptan succinate tablets 50mg


sumatriptan 100 mg tablet


generic sumatriptan succinate injection


sumatriptan aurobindo 100 mg tabletten


sumatriptan 50 mg


sumatriptan 100 mg review


sumatriptan tablets dosage


sumatriptan 100 mg cheap


purchase sumatriptan injection


buy sumatriptan succinate


sumatriptan tablets usp 100mg


sumatriptan succinate 100 mg oral tab


sumatriptan 50mg


imigran generic name


buy cheap sumatriptan


how much does imigran injection cost


cheap sumatriptan succinate


sumatriptan succinate 50mg tab


sumatriptan tablets 25 mg


sumatriptan 100 mg


buy sumatriptan succinate injection


imigran 100mg dosage


order imigran questionnaire


imigran 50 costo


can i buy sumatriptan over the counter


imigran 50 mg sumatriptan


sumatriptan succ 50 mg tablet


sumatriptan tablets 100mg


where to buy sumatriptan tablets


buy imigran nasal spray


imigran 100mg price


imigran 100mg prospect


sumatriptan 50 mg tabletten


buy imigran 50


sumatriptan 50mg dosage


imigran fdt 50mg


imigran tablets price


what is sumatriptan succinate tablet


buy cheap imigran


sumatriptan 100 mg dosage


sumatriptan succinate tablets 100mg


sumatriptan bluefish 50mg tabletten


sumatriptan bluefish 100mg nebenwirkungen


sumatriptan succinate buy online


cost of imigran tablets


what is sumatriptan 25 mg


how much does imigran cost


imigran 50mg price


sumatriptan nasal spray cost uk


sumatriptan succ 50 mg tablet uses


imigran nasal spray price


sumatriptan spray dosage


sumatriptan 50 mg para que sirve


sumatriptan aurobindo 50 mg tabletten


cheap sumatriptan tablets


sumatriptan 50 mg high


imigran tablets boots


sumatriptan spray price


sumatriptan spray how to use


sumatriptan 50 mg price uk


sumatriptan buy online


generic sumatriptan succinate


where can i buy sumatriptan nasal spray


sumatriptan aurobindo tablet 50mg


imigran tablets 50mg sumatriptan


imigran nasal spray cost


sumatriptan 6 mg 0.5 ml kit


sumatriptan buy


what is sumatriptan used for


sumatriptan 50mg tab


imigran sumatriptan 100 mg


sumatriptan 100 mg cost


imigran 50 mg prospect


imigran spray price


where can i buy sumatriptan injections


generic sumatriptan injection


sumatriptan 100 mg directions


sumatriptan 50mg boots


sumatriptan succ 100 mg tablet


sumatriptan 1a pharma 50 mg tabletten


sumatriptan 100 mg tab


imigran 50 mg dosage


sumatriptan succinate oral tablet 100 mg


sumatriptan 50 mg tablet


how much does imigran nasal spray cost


buy sumatriptan online uk


what is sumatriptan 100 mg used for


sumatriptan 50 mg reviews


sumatriptan 100 mg ingredients


imigran tablets 50mg


sumatriptan spray


imigran recovery 50mg tablets


imigran mg


imigran price


can i buy imigran online


buy sumatriptan nasal spray online


imigran injection cost


sumatriptan beta 100mg preis


sumatriptan 50mg tablets buy


imigran subject cost


where can i buy sumatriptan tablets


sumatriptan succinate tablets 50mg (base)


what is sumatriptan 50mg


imigran online bestellen


imigran spray nasale costo


what is sumatriptan succinate injection


sumatriptan tablets usp


imigran 100mg


sumatriptan buy uk


what is sumatriptan succinate tablets 100mg

Home > Institucional

ABRAMUS cria Conselho de Associados

São Paulo, 14 de outubro de 2014 – A ABRAMUS, Associação Brasileira de Música e Artes, elegeu no dia 14 de outubro, em São Paulo, seu Conselho de Associados, de caráter consultivo. 33 candidatos disputaram 5 das 7 vagas do Conselho. Outros dois foram escolhidos pela diretoria. Os conselheiros foram eleitos pelos próprios associados e têm mandato de um ano, renovável por mais dois períodos consecutivos.

O Conselho tem como objetivos ampliar a participação dos associados, dando ainda mais transparência em relação aos procedimentos da ABRAMUS, discutir, sugerir, debater e apontar soluções para a melhoria do sistema de gestão coletiva e da própria administração, além de acompanhar os trabalhos da entidade e da diretoria.

Associados eleitos:

Autor – César Rodrigues

Intérprete – Ivan Lins

Músico Executante – Daniel Carlomagno

Editor – Universal Music Publishing (representada por Marcelo Falcão)

Produtor Fonográfico – Dueto Edições Musicais (representada por César Vieira)

Associados indicados pela Diretoria:

Paulo Rosa (ABPD)

Roberto Frejat

 

Este Conselho marca o esforço da ABRAMUS em trazer os seus associados para participarem da associação e do funcionamento da gestão coletiva.

 

Você encontra mais detalhes sobre o Conselho de Associados aqui:

http://www.abramus.org.br/institucional/8971/conselho-de-associados/

 

Membros do Conselho de Associados

Foto: Fabiana Nascimento

20141014_160920

Da esquerda para direita: Paulo Rosa (ABPD), César Vieira (Dueto Produções), Marcelo Falcão (Universal Music), Ivan Lins (Intérprete), César Rodrigues (Autor) e Daniel Carlomagno (Músico)

 

Home > Institucional

Regulamento do Conselho de Associados

ABRAMUS – Associação Brasileira de Música e Artes

 

REGULAMENTO PARA CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO CONSELHO DE ASSOCIADOS

CAPÍTULO I

Natureza, denominação e sede do Conselho

 

Art. 1° – O presente Conselho terá natureza participativa, será integrado por representantes dos associados da ABRAMUS e girará sob a denominação de “CONSELHO DE ASSOCIADOS”.

 

Art. 2º – O CONSELHO DE ASSOCIADOS terá seu escritório central na sede da associação, na Rua Boa Vista, n. 186, 4º andar, São Paulo/SP, CEP 01014-000.

 

Art. 3º – O CONSELHO DE ASSOCIADOS não é, tampouco interfere, em órgão de gestão e administração da ABRAMUS. Tem finalidade participativa, sendo que seu regimento está subordinado ao Estatuto Social da ABRAMUS, devendo todos os seus participantes, portanto, cumprir, com todas as obrigações e deveres consignados no Estatuto Social.

 

CAPÍTULO II

Objetivos do Conselho

 

Art. 4° – Constituem objetivos do Conselho:

a) fomentar a participação por parte dos associados, independentemente da categoria de titular na qual estiverem inseridos, das atividades da Associação, dando-lhes maior transparência acerca das medidas e procedimentos adotados pela ABRAMUS na defesa dos interesses de seus titulares;

b) acompanhar os trabalhos da Associação e de sua Diretoria;

c) discutir, sugerir, debater e apontar soluções objetivando a melhoria do sistema de gestão coletiva;

d) discutir, sugerir, debater e apontar propostas visando a melhoria da administração da associação;

 

CAPÍTULO III

Membros Participantes e Reuniões

 

Art. 5° – Poderão ser admitidos ao CONSELHO DE ASSOCIADOS todos os titulares (pessoas físicas e jurídicas) filiados à ABRAMUS, independente da categoria na qual estiverem inseridos.

 

Art. 6º – O CONSELHO DE ASSOCIADOS será composto de 7 participantes (conselheiros).

 

Parágrafo Primeiro – Cada categoria de associado (autor, intérprete, músico acompanhante, editor e produtor fonográfico) será representada por um conselheiro no CONSELHO DE ASSOCIADOS.

 

Parágrafo Segundo – Além dos 5 (cinco) conselheiros aludidos no parágrafo primeiro acima, a diretoria da ABRAMUS poderá indicar mais 2 (dois) conselheiros, passando o conselho a ter um total, portanto, de 7 (sete) conselheiros.

 

Parágrafo Terceiro – Fica vedada a participação como Conselheiro de membros da Diretoria ou do Conselho Fiscal da ABRAMUS.

 

Parágrafo Quarto – Caso um conselheiro, durante o mandato, seja eleito para ocupar cargo na Diretoria ou no Conselho fiscal da ABRAMUS, a diretoria da associação poderá indicar um novo associado para ocupar a vaga aberta.

 

Parágrafo Quinto – Dentre os 7 (sete) conselheiros, o número de representantes dos autores, intérpretes e músicos executantes não pode ser menor do que 4.

 

Art. 7º – As reuniões do CONSELHO DE ASSOCIADOS ocorrerão a cada 2 (dois) meses.

 

Parágrafo Primeiro – A cada 6 (seis) meses, a reunião do CONSELHO DE ASSOCIADOS será aberta para todos os associados.

 

Parágrafo Segundo – Para a participação na reunião aberta do CONSELHO DE ASSOCIADOS, o associado deverá se inscrever previamente, para cada reunião, dentro do prazo divulgado pela Associação.

 

Art. 8º – Pelo menos 50% (cinquenta por cento) das reuniões deverá ocorrer na cidade da sede do CONSELHO. As demais reuniões poderão ser realizadas nos endereços das filiais, da sede ou outro endereço a ser definido pelos dirigentes da Associação, juntamente com o Gerente de Relações Institucionais.

 

CAPÍTULO IV

Da eleição dos Conselheiros

 

Art. 9º – A reunião para a eleição dos conselheiros, que será aberta para todos os associados da ABRAMUS, se dará no mês de outubro do ano de eleição.

 

Parágrafo Único – Para se candidatar à eleição do CONSELHO DE ASSOCIADOS, o associado deverá se inscrever como candidato previamente, dentro do prazo divulgado pela Associação.

 

Art. 10º – Serão nomeados conselheiros os associados que, presentes na reunião, sejam eleitos pela maioria de votos dos presentes, votos estes que serão unitários e considerados individualmente.

 

Parágrafo Primeiro – No evento de haver empate de votos entre dois ou mais associados candidatos ao cargo de conselheiro, será nomeado aquele que estiver filiado há mais tempo nos quadros da ABRAMUS.

 

Parágrafo Segundo – Caso não haja candidatos para alguma das categorias de titulares, a Diretoria da ABRAMUS poderá indicar um associado daquela categoria para ocupar a vaga.

 

Art. 11º – Os votos unitários deverão ser presenciais, não podendo o associado, representado por terceiro, votar por meio de representante ou procuração.

 

Parágrafo único – Os representantes legais das editoras e gravadoras deverão apresentar os documentos que os legitimem como tais previamente à realização das reuniões.

 

Art. 12º – O CONSELHO DE ASSOCIADOS será administrado e representado por 2 (dois) conselheiros dentre aqueles eleitos para a representação de cada categoria de titular.

 

Parágrafo Primeiro – A indicação dos 2 (dois) conselheiros que administrarão o CONSELHO DE ASSOCIADOS se dará por decisão consensual alcançada pelos 7 (sete) conselheiros. A indicação consensual dos administradores ocorrerá na mesma reunião que houver nomeado os 7 (sete) conselheiros.

 

Parágrafo Segundo – Os 2 (dois) conselheiros escolhidos para a administração do órgão exercerão os seguintes cargos respectivamente: PRESIDENTE DO CONSELHO e SECRETÁRIO DO CONSELHO.

 

Parágrafo Terceiro – O CONSELHO DE ASSOCIADOS somente poderá será presidido por um autor, um intérprete ou um músico executante, sendo que poderá ocupar o cargo de Secretário do Conselho representante de qualquer categoria de titular.

 

Art. 13º – Os conselheiros eleitos exercerão seus mandatos pelo prazo de 2 (dois) anos, podendo ser reeleitos por mais 2 (dois) mandatos sucessivamente.

 

Art. 14º – Compete ao Presidente do Conselho:

a) convocar as reuniões periódicas;

b) presidir as reuniões;

c) determinar a pauta e o tempo que cada tema será abordado e discutido nas reuniões;

c) assinar as atas das reuniões do CONSELHO, juntamente com o Secretário;

d) representar o CONSELHO perante a Diretoria da Associação;

e) quando indicado pela diretoria, representar a Associação em eventuais reuniões do ECAD;

f) quando indicado pela diretoria, representar a Associação em eventuais reuniões promovidas por entidades nacionais e internacionais das quais a Associação seja parte.

 

Art. 15º – Compete ao Secretário do Conselho:

a) auxiliar o Presidente do Conselho nas atribuições que lhe foram conferidas por força do artigo 14º acima;

b) substituir o Presidente do Conselho em suas faltas e impedi­mentos temporários;

c) desempenhar as funções ou missões especificas que lhe forem determinadas pelo Presidente do Conselho;

d) redigir as atas de reunião do CONSELHO;

 

Capítulo V

Despesas

 

Art. 16º. – Além do custeio da infraestrutura para a realização das reuniões do CONSELHO, a Associação custeará as despesas de deslocamento e hospedagem (se necessário for) do PRESIDENTE e SECRETÁRIO DO CONSELHO, bem como do GERENTE DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS.

 

Parágrafo Único – Os conselheiros não serão remunerados.

 

 

São Paulo, 12 de outubro de 2015

Home > Institucional

DNA do Direito Autoral

Confira abaixo todos os posts da campanha #DNAdoDireitoAutoral:

Home > Institucional

Portal ABRAMUS

Uma nova ferramenta!

Na constante busca pelo aprimoramento do atendimento ao titular, o Portal ABRAMUS, que está de “cara nova”!

Através do Portal ABRAMUS é possível consultar créditos protegidos, titulares, obras e fonogramas, acessar comprovantes de rendimentos simplificados, a conta corrente do associado na ABRAMUS e acompanhar os rendimentos das obras e fonogramas.

Com as funcionalidades do Portal, o associado terá mais autonomia para obter informações sem precisar entrar em contato com a Associação por telefone ou e-mail, e no momento que desejar. Há também o acesso para quem não é associado*.

Compatível com celulares e tablets, a ferramenta oferece um novo mecanismo de pesquisa que permitirá ao titular encontrar as informações de seu interesse com mais facilidade e rapidez.

Para acessar ao Portal, acesse: portal.abramus.org.br

Qualquer dúvida ou sugestão, você pode entrar em contato com uma de nossas filiais.

**o acesso para quem não é associado possui menos opções que o acesso de associados.

post-portal-site

Home > Institucional

Estatuto ABRAMUS

CONSOLIDAÇÃO DO Estatuto Social da ABRAMUS – Associação Brasileira de Música e Artes

 

CAPÍTULO I

 

Natureza, denominação e sede da Associação

 

Art. 1.° – Sob a denominação de “ABRAMUS – Associação Brasileira de Música e Artes” gira esta associação, de âmbito nacional, sem fins lucrativos, com prazo de duração indeterminado com sede e foro na Rua Boa Vista, 186, 4o andar, CEP 01014-000, Capital do Estado de São Paulo, e filiais nas Cidades de:

 

a) SALVADOR, na Avenida Tancredo Neves, n.º 1.632, Torre Norte, Sala 1.513, Caminho das Árvores,  Salvador/BA, CEP 41820-021;

 

b) RIO DE JANEIRO, Avenida das Américas, n.º 500 – bloco 18, sala 104, Downtown, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro/RJ, CEP 22640-100;

 

c) CURITIBA, na Rua Nicolau Maeder, 881, Bairro Jueve, CEP 80030-330;

 

d) PORTO ALEGRE, na Avenida Praia de Belas, 2124 Sala 801 – Praia de Belas Porto Alegre – RS, CEP: 90110-000;

 

e) BRASÍLIA, no Setor Bancário Sul, Quadra 02, Bloco E, Número 12, Sala 607, Asa Sul. Brasília. Distrito Federal, CEP 70070-120

 

f) GOIÂNIA, na Rua João de Abreu, Dq. F8, Lt. 24E, sala B17, 1º andar, Edifício ATON, Setor Oeste de Goiânia, Goiânia/GO, CEP 74120-110

 

 

 CAPÍTULO II

Objetivos da Associação

 

Art. 2.° – Constituem objetivos da Associação:

 

a) administrar, receber e distribuir os direitos autorais de que sejam titulares os seus associados, decorrentes da apresentação pública ao vivo ou através da radiodifusão, inclu­sive a sincronização cinematográfica ou audiovisual ou video­fonográfica das obras musicais em que eles tenham atuado, observadas as disposições legais, no Brasil e no Exterior;

 

b) representar os seus associados, mediante simples filiação destes na ABRAMUS, para o exercício, defesa e cobrança dos direitos, praticando os atos que para tanto se façam necessários, judicial e/ou extra-judicialmente;

 

c) arrecadar e distribuir direitos de autor e os que lhe são conexos, pertinentes à produção fonográfica, também denominados direitos fonomecânicos, no Brasil e no Exterior;

 

d) arrecadar e distribuir direitos de autor e os que lhe são conexos, relativos à execução de obras musiciais, litero-músicais e poéticas, pela internet e outras formas de veiculação assemelhadas, no Brasil e no Exterior;

 

e) representar seus associados, gerindo arrecadando e distribuindo direitos autorais decorrentes da sincronização ou inclusão em suportes materiais televisivos, audiovisuais, fonográficos, videofonográficos, no âmbito das comunicações eletrônicas, na “web” e quaisquer outros espaços virtuais;

 

f) celebrar convênios, contratos e acordos internacionais, para defesa dos interesses autorais de seus titulares, no Exterior, havendo ou não havendo reciprocidade formal;

 

g) defender os interesses dos associados perante os órgãos e entidades públicas, objetivando maior adequação aos seus objetivos dos dispositivos legais e regulamentares, per­tinentes ao exercício da sua atividade, a produção musical e a difusão das obras de que trata a letra “a” acima;

 

h) arrecadar e distribuir os direitos autorais decorrentes de obras literárias, teatrais, dramatúrgicas, artísticas e audiovisuais;

 

i) pugnar pela defesa e proteção dos Direitos autorais em qualquer meio ou suporte, tangível ou intangível, conhecido ou que se invente no futuro, de acordo com o art. 7o da Lei Federal n.º 9.610 de 19 de fevereiro de 1998, que consolida a legislação sobre a matéria;

 

j) participar de modo constante na vida cultural e social do país, notadamente na luta pelo fortalecimento da dramaturgia nacional;

 

k) prestar assistência social aos associados;

 

l) exercer as atribuições que lhe forem conferidas;

 

m) administrar, receber e distribuir os direitos autorais referentes às artes visuais de que sejam titulares os associados desta entidade.

§ 1.° – Os titulares de direitos de autor e dos direitos conexos, a saber, autores, letristas, versionistas, editores, produtores fonográficos, intérpretes, músicos, arranjadores, regentes, titulares estrangeiros devidamente representados pelas associações conveniadas com a ABRAMUS, e demais titulares, serão representados pela Associação, para a prática dos atos previstos neste artigo, na forma do que prelecionam a Lei 9.610/98, o Código Civil Brasileiro, e demais disposições legais aplicáveis à espécie.

 

 § 2.° - A arrecadação dos direitos autorais dos associa­dos, pertinente à execução pública, na forma da lei, hoje é feita pelo ECAD – Escritório Central de Arrecadação e Distribuição de Direitos Autorais, ao qual esta Associação está filiada

 

Art. 3.° – A Associação terá a função precípua de representar os seus associados no exercício e defesa dos seus di­reitos autorais de ordem patrimonial, sendo que a defesa dos direitos de natureza moral dependerá de solicitação e mandato específicos e expressos do interessado, em cada caso.

 

 

CAPÍTULO III

Quadro Social

 

Art. 4.° – São admitidos ao quadro social, os titulares de direitos de autor e dos direitos que lhe são conexos, a saber, autores, letristas, versionistas, editores, produtores fonográficos, intérpretes, músicos, arranjadores, regentes e demais titulares.

 

 

Art. 5.° – O pedido de admissão ao quadro social será apresentado pelo interessado à Diretoria, devendo ser instruído com uma relação das obras musicais ou litero-musicais de que seja autor, em que tenha atuado e que já tenham sido fixadas em  qualquer espécie de suporte ma­terial, como, por exemplo, fonogramas,  videofonogramas, filmes cinematográficos e outros, ou ainda relação das obras de que seja titular na condição de editor ou produtor fonográfico.

 

PARÁGRAFO ÚNICO – O pedido da admissão será também firmado por 2 (dois) associados em dia com suas obrigações para com a Associação.

 

Art. 6.° – A Diretoria apreciará os pedidos de admissão ao quadro social, no prazo de trinta (30) dias, contados da sua apresentação, determinando a Secretaria que comunique a sua decisão ao interessado, por escrito.

 

Art. 7.° – Os associados poderão pedir a sua demissão do quadro social a qualquer tempo, através de pedido escrito diri­gido a Diretoria, que o apreciará na reunião seguinte.

 

Art. 8.° – Com o ato de filiação, a Associação se torna, de maneira irrevogável, mandatária do associado para a pratica de todos os atos referidos no Art. 3.°, enquanto durar a filiação.

 

§ 1.° – Fica assegurado ao associado, porém, praticar pessoalmente os atos de defesa dos direitos de que seja titular, devendo nesse caso, comunicar o fato à Diretoria, de imediato.

 

§ 2.° – São sócios fundadores todos os que assinaram a ata da Assembléia que constituiu a ABRAMUS.

 

 CAPÍTULO IV

Dos órgãos dirigentes da Associação

 

Art. 9° – São órgãos dirigentes da Associação: A Assembléia Geral, a Diretoria e o Conselho Fiscal.

 

 

Seção I – Da Assembleia Geral

 

Art. 10. – A Assembleia é o órgão soberano deliberativo da Associação e reunir-se-á ordinariamente uma vez por ano, exclusivamente para discutir e deliberar sobre:

 

 

 

(i) o relatório e contas da Diretoria; (ii) a prestação de contas dos valores devidos aos seus associados no exercício anterior, bem como; (iii) o balanço anual contábil, relativos ao ano civil anterior.

 

§ 1.° – A Assembléia Geral será convocada pela Direto­ria ou por 1/5 dos associados, e, na omissão destes, pelo Conselho Fiscal, quando instalado, e se fará por edital a ser publicado uma vez, com antecedência mínima de 08 (oito) dias, em 1 (um) jornal de grande circulação da Capital do Estado de São Paulo, e em 1 (um) jornal de grande circulação nas cidades onde a entidade mantiver filiais.

 

§ 2.° – A Assembléia Geral se instalará, em primeira convocação, com a presença de 50% (cinqüenta por cento) dos associados com direito a voto, e, em segunda convocação, com a presença de qualquer número de associados.

 

    § 3.° – A segunda convocação da Assembléia Geral poderá ser feita no mesmo edital em que se fizer a primeira, podendo a Assembléia instalar-se após intervalo mínimo de uma hora da primeira convocação.

 

§ 4º – Assembléia Geral Ordinária não se instalará se não houver a presença de no mínimo três sócios que não sejam membros da Diretoria nem do Conselho Fiscal, quando instalado.

 

§ 5° – Os membros da Diretoria e os do Conselho Fiscal não poderão votar nas Assembléias Gerais Ordinárias, nem nas Assembléias Gerais Extraordinárias, que tenham na pauta apreciação de seus atos.

 

§ 6° - Os membros da Diretoria e os do Conselho Fiscal não poderão votar nas Assembléias Gerais Ordinárias, nem nas Assembléias Gerais Extraordinárias, que tenham na pauta apreciação de seus atos.

 

§ 7º – As deliberações nas Assembléias Gerais Ordinárias serão tomadas por votos dos Associados presentes, em condições de votar.

 

Art. 11. – A Assembléia Geral Extraordinária reunir-se-á sempre que convocada na forma deste Estatuto, para deliberar sobre qualquer assunto que conste do edital de convocação, salvo as deliberações de assuntos reservados para as Assem­bléias Gerais Ordinárias.

 

§ 1.° – A Assembléia Geral Extraordinária será convoca­da por edital publicado com antecedência mínima de 08 (oito) dias, em 1 (um) jornal de grande circulação da Capital do Estado de São Paulo, e em 1 (um) jornal de grande circulação nas cidades onde a entidade mantiver filiais.

 

§ 2.° – O edital mencionará o dia, hora e local da reu­nião, bem como o rol de assuntos específicos a serem dis­cutidos.

 

§ 3º – Uma cópia do edital, com as mesmas assinaturas do texto original enviada a imprensa, deverá ser afixada em local visível do público, na sede da Associação, desde o dia da primeira publicação até um dia após a realização da Assembléia.

 

Art. 12. – A Assembléia Geral Extraordinária poderá ser convocada;

 

a) pela Diretoria, mediante deliberação da maioria sim­ples de seus membros efetivos;

 

b) pelo Conselho Fiscal, quando instalado, para deliberar sobre assuntos pertinentes às finanças da Associação e sua Contabilidade, e para propor a destituição de membros da Diretoria;

 

c) por 1/5 dos associados em dia com a Associação, se tiver sido solicitada sua convocação à Diretoria e esta não providenciar em 8 (dias) contados do recebimento do pedido de convocação.

 

 

 

PARÁGRAFO ÚNICO – A Assembléia Geral Extraordinária que deliberar sobre modificação do Estatuto Social ou destituição dos administradores, se instalará com a presença da maioria absoluta dos associados, dependendo essas matérias de aprovação de 2/3 dos presentes, ou com a presença de 1/3 dos associados nas demais convocações, mantendo-se o quorum de aprovação.

 

Art. 13. – As deliberações das Assembléias Gerais serão tomadas por maioria de votos dos associados presentes, salvo os quoruns qualificados previstos no § único do artigo 12 deste Estatuto.

 

§ 1.° – A cada associado corresponde um voto, com exceção dos editores que não têm direito a voto.

 

§ 2.° – É permitido voto por procuração.

 

§ 3.°- É permitido o voto por carta nas Assembléias Ge­rais, observadas as seguintes regras: a carta deverá indicar a qual assembléia se des­tina, ou pela data e local da realização, ou pela menção do jornal (dia, mês, ano e página) em que apareceu o edital; a carta deverá ser enviada por porte registrado da Empresa de Cor­reios e Telégrafos.

 

§ 4.º – Os envelopes contendo voto, na forma do pará­grafo anterior, somente poderão ser abertos pelo presidente da Assembléia Geral, após a instalação desta.

 

Art. 14. – Antes da instalação de qualquer Assembléia Geral, seja Ordinária, seja Extraordinária, os associados deverão comprovar sua presença, lançando seus nomes no livro de presença, assinando-o em seguida.

 

PARÁGRAFO ÚNICO – O secretário da Assembléia, após haver constatado o quorum necessário para a realização da Assembléia, lançará no livro de presença os votos recebidos por carta, especificando-os com o nome do associado.

 

Art. 15. – Os trabalhos da Assembléia Geral serão dirigi­dos por uma mesa composta de um Presidente eleito pelos as­sociados presentes e por um Secretário nomeado por esse Presidente.

 

Art. 16 – A Diretoria e o Conselho Fiscal serão eleitos em Assembléia Geral Extraordinária especialmente convocada para esse fim e que deverá. reunir-se o mais tardar um mês antes da data final dos mandatos que se findam.

 

Art. 17 – Os trabalhos das Assembléias Gerais serão sem­pre registrados em atas, lavradas em livro próprio, as quais de­verão ser assinadas pelos membros da mesa e pelos associados presentes, que desejarem fazê-lo.

 

CAPÍTULO V

Administração e Fiscalização

 

Seção I – Disposições Gerais

 

Art. 18 – A Administração e a fiscalização da associação caberão, respectivamente, à Diretoria e ao Conselho Fiscal, quando instalado.

 

 Art. 19. – Os cargos eletivos, para participação nos órgãos estatutários, serão conferidos, exclusivamente, aos associados em dia com suas obrigações sociais.

 

Art. 20. – A remuneração dos membros da Diretoria e do Conselho Fiscal será fixada pela Assembléia Geral que os eleger.

 

Art. 21. – O mandato conferido aos membros da Diretoria e do Conselho Fiscal será de 3 (três) anos, sendo permitida uma única recondução precedida de nova eleição.

 

Parágrafo Primeiro – A regra de recondução única, nos termos da lei, somente passará a valer a partir das próximas eleições, sendo, portanto, permitido que os dirigentes atuais concluam o seu mandato em curso, após o qual poderão se candidatar ao mandato de 3 (três) anos, com possibilidade de 1 (uma) única recondução.

 

Parágrafo Segundo – Os diretores e conselheiros terão atuação direta em sua gestão, por meio de voto pessoal, sendo vedado que atuem representados por terceiros.

 

 

Seção II – Diretoria

 

Art. 22. – A Associação será administrada e representada por 8 (oito) diretores, pessoas físicas naturais, integrantes do quadro social, devendo ser composta por 4 (quatro) autores, 2 (dois) intérpretes ou músicos, e 2 (dois) representantes dos produtores fonográficos.

 

Art. 23. – O Diretor Presidente deverá sempre ser originário dos quadros dos autores, ou interpretes e músicos, cabendo-lhe “voto de minerva” em caso de empate nas deliberações da Diretoria.

 

Art. 24.- A Diretoria será composta de um diretor-presi­dente, um diretor vice-presidente, um diretor-secretário, um di­retor-tesoureiro e 4 (quatro) diretores sem designação especial.

 

Art. 25. – Os diretores somente serão afastados ou desti­tuídos da sua função por deliberação da Assembléia Geral Extraordinária.

 

PARÁGRAFO ÚNICO – Caberá à mesma Assembléia Ge­ral eleger e empossar o(s) substituto(s) que exercerá(ão) o(s) mandato(s) do(s) diretor(es) afastado(s) ou destituído(s) pelo tempo que restar.

 

Art. 26. – Compete à Diretoria, mediante decisão da maioria absoluta dos seus membros:

 

a) elaborar, anualmente, a proposta orçamentaria e o planejamento das atividades para o exercício;

b) apresentar à Assembléia Geral, anualmente, o relatório e as contas do exercício anterior;

c) autorizar o pagamento dos direitos autorais arrecada­dos para seus associados, obedecendo as normas e crité­rios estipulados pelo escritório central eleito pelos associados, conforme estipulado no Artigo 2º, §2º deste Estatuto.

d) fixar o valor da taxa de inscrição devida pelos asso­ciados, e sua forma de pagamento;

e) apreciar os pedidos de admissão ao quadro social;

f) aplicar penalidades aos associados, sendo que a pena de expulsão será aplicada “ad referendum” da Assembléia Geral;

g) cumprir e fazer cumprir o estatuto e as deliberações da Assembléia Geral.

 

 

Art. 27. – Compete ao diretor-presidente:

 

a) representar ativa e passivamente a Associação, pe­rante os órgãos públicos e entidades privadas;

b) convocar e presidir as reuniões da Diretoria;

c) representar a Associação em juízo ou fora dele, po­dendo, para tanto, em conjunto com outro diretor, nomear procurador da Associação, inclusive com os poderes da clausula “ad judicia”;

d) assinar cheques em conjunto com o diretor-tesoureiro;

e) assinar balancetes mensais e o balanço anual em con­junto com o diretor-tesoureiro;

f) praticar os atos de administração que não forem atri­buídos pelo Estatuto aos demais diretores.

 

Art. 28. – Compete ao diretor vice-presidente:

a) substituir o diretor-presidente em suas faltas e impedi­mentos temporários;

b) desempenhar as funções ou missões especificas que lhe forem determinadas pelo diretor-presidente.

 

 Art. 29. – Compete ao diretor-secretário:

a) coordenar e supervisionar a execução das atividades gerais da associação;

b) ter sob sua guarda todos os documentos e livros da Associação, salvo os contábeis;

c) assinar cheques em conjunto com o diretor-presidente ou com o diretor-tesoureiro.

 

Art. 30. – Compete ao diretor-tesoureiro:

a) assinar cheques em conjunto com o diretor-presidente ou com o diretor-secretário, ou ainda com o diretor-vice-presidente no exercício da presidên­cia;

b) abrir e fechar contas bancárias;

c) assinar balancetes e o balanço anual em conjunto com o diretor-presidente;

d) autorizar pagamentos, inclusive os referentes à distri­buição de direitos autorais, cuidar de toda a arrecadação, receita e despesa da Associação e controlar os setores respectivos;

e) guardar e responsabilizar-se por todos os papéis, do­cumentos e;

f) apresentar a Diretoria esboço das propostas orçamen­tárias anuais.

 

 

Art. 31. – Compete aos diretores sem designação especial comparecerem às reuniões da Diretoria, bem como executarem as tarefas que lhe forem conferidas, conforme os registros no livro de atas das “Reuniões da Diretoria”.

 

Art. 32. – As decisões da Diretoria somente poderão ser revistas e modificadas pela Assembléia Geral.

 

Art. 33. – Da competência conferida a cada um dos dire­tores, nos artigos procedentes, se excluem as deliberações so­bre as matérias previstas no art. 27, que serão tomadas em reunião plenária da Diretoria, por maioria absoluta dos seus membros.

 

Seção III

Conselho Fiscal

 

Art. 34. – A Associação poderá instalar um Conselho Fiscal, que será com­posto de três (3) membros efetivos e de três (3) suplentes, pessoas físicas domiciliados e residentes no pais.

 

Art. 35. – Compete ao Conselho Fiscal, quando instalado:

 

a) examinar, em qualquer tempo, os livros e papéis da Associação e o estado do caixa, devendo as diretores for­necer-lhes as informações solicitadas;

b) lavrar no livro “Atas e Pareceres do Conselho Fiscal” a resultado do exame realizado na forma da alínea “a” deste artigo;

c) apresentar a Assembléia Geral Ordinária parecer sabre as contas da diretoria;

d) emitir parecer sobre questões econômico-financeiras que lhes forem submetidas e sobre aplicação de recursos para ampliação do patrimônio imobilizado ou sobre alienação do referido patrimônio, quando aprovada pela Assembléia Geral;

e) denunciar à Assembléia Geral as irregularidades apuradas na escrituração;

f) convocar Assembléias Geral, nos termos do § 1º do Art. 11, e do Art. 13 deste estatuto.

 

 

CAPÍTULO VI

Patrimônio

 

Seção I – Disposições Gerais

 

Art. 36. – O patrimônio da Associação poderá compreender qualquer espécie de bens, móveis ou imóveis, corpóreos ou incorpóreos, suscetíveis de avaliação em dinheiro, ou de exploração econômica.

Seção II – Receitas

 

Art. 37. – Constituem fontes de receita da Associação as taxas de inscrição, as doações, as contribuições dos associa­dos, a participação da Associação na arrecadação dos direitos autorais e as rendas diversas.

 

Art. 38. – A diretoria poderá aceitar e receber doações, mas não poderá recusá-las sem ouvir a Assembléia Geral.

 

Art. 39. – Os associados contribuirão com um valor equi­valente ao percentual de participação da Associação na receita da arrecadação de seus direitos autorais, observando-se critérios de razoabilidade, podendo deduzir tais valores dos pagamentos feitos aos associados.

 

Art. 40. – Consideram-se rendas diversas todas aquelas não previstas nem enquadradas nos demais dispositivos desta seção.

 

Seção III

Despesas

 

Art. 41. – Consideram-se despesas e encargos ordinários e extraordinários, previstos na proposta orçamentária.

 

Parágrafo Único – A associação, por deliberação de sua assembleia geral, poderá destinar até 20% (vinte por cento) da totalidade ou parte dos recursos oriundos de suas atividades para ações de natureza cultural, social e assistencial, que beneficie seus associados de forma geral.

 

 

CAPÍTULO VII

Obrigações, deveres e direitos dos associados

 

Art. 42. – As obrigações dos associados começarão ime­diatamente com a sua admissão na Associação e acabam quan­do dela se retirarem ou forem demitidos, desde que tenham cumprido suas obrigações, inclusive e principalmente as de ordem financeira, para com a Associação.

 

Art. 43. – Os membros da Associação não respondem nem solidaria nem subsidiariamente pelas obrigações por ela assumidas.

 

Art. 44. – Os associados indenizarão a Associação pelos prejuízos que esta sofrer, por culpa deles, os quais poderão ser compensados com a remuneração autoral que lhes couber.

 

Art. 45. – São deveres dos associados:

 

a)     respeitar e cumprir este estatuto, os dispositivos regi­mentais, as decisões da Assembléia Geral e da Diretoria;

 

b) Observar o regime disciplinar;

 

c) abster-se de atos que possam importar em perturbações da ordem, desrespeito aos membros e aos órgãos da Associação e ofensa aos bons costumes;

 

d) apresentar à Assembléia Geral e/ou ao Conselho Fis­cal e/ou a Diretoria denúncia de irregularidade de qual­quer natureza, que tenham sido praticados, não importa por quem, contra os interesses da Associação.

 

Art. 46. – São direitos dos Associados:

 

a) participar das Assembléias Gerais;

b) votar e ser votado;

c) desligar-se dos quadros da associação;

d) requerer a convocação de Assembléia Geral, desde que o faça de acordo com o disposto na alínea “c” do Ar­tigo 12 destes Estatutos;

e) freqüentar as dependências e utilizar-se dos serviços da Associação;

f) propor a admissão de novos associados.

 

 

 

CAPÍTULO VIII

Do processo disciplinar

 

Seção I – Das Penalidades

 

Art. 47. – Aos associados que não cumprirem suas obri­gações associativas, ou que cometerem outras faltas disciplina­res serão aplicadas as penas de advertência, suspensão e ex­pulsão, a critério da Diretoria, conforme dispõem os artigos seguintes.

 

Art. 48. – As punições deverão ser graduadas de confor­midade com a gravidade da falta, observadas as circunstancias de cada caso, bem como levando-se em conta o fato de tratar-se de faltoso primário ou reincidente.

 

Art. 49. – A pena de advertência no grau mínimo será aplicada verbalmente e anotada no prontuário do associado; no grau intermediário, a advertência será feita por carta, conser­vando-se cópia no seu prontuário e no grau máxima a advertên­cia será aplicada mediante carta da qual uma cópia será afixada por três dias consecutivos no quadro de avisos na sede da Associação.

 

Art. 50. – A pena de suspensão no grau mínima variará de um a três meses, no médio, de três a seis meses e no máximo de seis meses a doze meses.

 

Art. 51. – A pena de expulsão será aplicada no caso de:

a) associado que já tenha sofrido pena de suspensão e que tenha reincidido na mesma falta;

b) associado que mesmo sendo primário, tenha cometido falta que o torne incompatível com os demais associados;

c) associado que tenha cometido atos de improbidade para obter vantagem, mesmo não econômica, para si ou para terceiros, ainda que tal ato não chegue a constituir crime, nem contravenção penal.

 

 

Seção II – Da ação disciplinar

 

Art. 52. – Nenhuma pena será aplicada sem que o asso­ciado tenha oportunidade de oferecer a mais ampla defesa, in­clusive com a assistência de advogado.

 

Art. 53. – Nenhuma ação disciplinar será instaurada sem que seja baseada em denúncia oferecida por escrito, acompa­nhada dos documentos que a comprovam, ou, na falta destes, indicando desde logo o modo como serão provadas as acusações, inclusive já indicando as testemunhas (nome, pseudônimo, endereço, e se possível, o n.o do R.G.) que deverão ser ouvidas.

 

§ 1.º – Se a denúncia for feita sem intervenção de advo­gado, o denunciante deverá assiná-la e reconhecer a firma; se assinada por advogado, este deverá anexar também a procuração especifica para o ato.

 

§ 2.º – A denúncia e os documentos que a acompanham devem ser entregues com uma cópia autenticada.

 

Art. 54. – A denúncia, nos termos do artigo anterior, deve ser endereçada ao Diretor-Presidente, podendo ser entregue a qualquer membro da Diretoria, que passará recibo.

 

PARÁGRAFO ÚNICO – A entrega da denúncia poderá também ser feita por carta, hipótese em que não será passado recibo.

 

Art. 55. – Recebida a denúncia, a Diretoria reunir-se-á nos oito dias imediatamente posteriores, para sortear o relator do processo, para conduzi-lo até decisão final.

 

PARÁGRAFO ÚNICO – O relator será sorteado dentre um dos membros da Diretoria ou, se todos forem suspeitos ou se julgarem impedidos, dentre um dos membros do Con­selho Fiscal, se instalado.

 

Art. 56. – O relator sorteado fará chegar às mãos do acusado a cópia da denúncia e dos documentos que a acom­panham, capeada por uma carta-citação em que informará ao denunciado:

 

 

a)     data e modo do recebimento da denúncia;

 

b)que tem o prazo de 15 dias para apresentar defesa escrita, que também deverá ser acompanhada dos documen­tos que a confirmem e na qual devera constar o rol das testemunhas;

 

c) que esse prazo começa a ser contado do primeiro dia útil imediatamente seguinte ao do recebimento da citação não se considerando o sábado, nem as segundas e as terças-feiras do Carnaval como dias úteis;

d) que o associado pode apresentar sua defesa por inter­médio de advogado;

e) qual o dia, o mês, a hora e o local da reunião da Dire­toria, em que se encerrará a instrução com argüição denunciante, do denunciado e das respectivas testemunhas nessa ordem;

f) que deverá comparecer nessa reunião, sob a pena de confissão, podendo estar acompanhado de advogado, escla­recendo que também o denunciante poderá fazer-se acompanhar de advogado.

 

§ 1.° – Todos os atos do processo poderão ser pratica­dos pessoalmente pelos associados, tanto o denunciante como o denunciado, ou por advogados ou por ambos em conjunto, com exceção de depoimentos.

 

§ 2.° – Ao denunciante será encaminhada cópia da carta de que fala esta cláusula, para ser também intimado da reunião para o julgamento, informando-o que também deve­rá comparecer sob pena de suspensão de 6 (seis) meses, salvo se para sua ausência for apresentado motivo justo, até a hora da reunião.

 

§ 3.° – Se a Diretoria, ouvido o denunciado, considerar justa o motivo da ausência do denunciante, será designada nova reunião a realizar-se dentro dos 7 (sete) dias úteis imediatamente seguintes, no que se aplica também a parte final da alínea “c” deste artigo.

 

 

Art. 57- Na reunião convocada para julgamento de pro­cesso disciplinar não poderão os diretores discutir qualquer ou­tro assunto.

 

§ 1.° – A reunião se instalará com a presença de mais de 2/3 dos membros da diretoria.

§ 2.° – As decisões serão tomadas por maioria de votos dos presentes.

 

 

Art. 58. – Da reunião de Diretoria reunida para julgamento do recursos disciplinares também poderão participar os advogados previamente nomeados.

 

 

 

 

CAPÍTULO IX

Dissolução da Associação

 

Art. 59. – Dissolve-se a Associação:

 

I - pela verificação da inexequibilidade do fim social;

II – por deliberação da Assembléia Geral, mediante o voto de 1/3 do quadro de associados;

III – pela cassação, por lei ou ato da autoridade compe­tente, da sua autorização para funcionar.

 

Art. 60. – Dissolvendo-se a Associação, a liquidação e destinação do seu patrimônio será doada a uma sociedade be­neficente reconhecida pela autoridade, da escolha da Assembléia Geral que decide acerca da dissolução.

 

Art. 61. – A diretoria designará os representantes da Associação que atuarão no escritório central de arrecadação e distribuição, em conformidade com o disposto no Art. 2º, §2º do Estatuto.

 

Art. 62. – Os membros da diretoria e do Conselho Fiscal eleitos pela Assembléia Geral de Constituição da Associação, terão fixada a sua remuneração, em Assembléia Geral.

 

Art. 63. – O valor dos direitos autorais arrecadados e/ou recebidos pela Associação, serão distribuídos aos Associados, observando-se os critérios de razoabilidade inerentes à gestão coletiva.

 

 

Home > Institucional

Revista

Veja aqui as edições da revista ABRAMUS

Home > Institucional

Relatórios Anuais

Home > Institucional

Diretoria

Presidente
Walter Rosciano Franco

Vice-Presidente
Roberto Batalha Menescal

Diretoria
André Torres Moraes

Carlos Eduardo Carneiro de Albuquerque Falcão

Cláudia Marques Boechat dos Santos

Danilo Candido Tostes Caymmi

Elton Benício Escobar Saldanha

José de Araújo Novaes Neto

Paulo Roberto Juk

Home > Institucional

Legislação

- Lei 9.610/98

Convenção de Genebra

– Convenção de Roma

Home > Institucional

Unidades

São Paulo (sede)

Endereço: Rua Boa Vista, 186 – 4º andar

Centro – São Paulo – SP – Cep: 01014-000

Telefone: (11) 3636 6900 (11) 3636 6909

——————————————————————————–

Rio de Janeiro

Endereço: Avenida das Américas, 500 – Bloco 14 – sala 104

Barra da Tijuca Downtown – Rio de Janeiro – RJ – Cep: 22640-100

Telefone: (21) 3078 1391 Fax: (21) 3078 1392

——————————————————————————–

Paraná

Responsável: Antonio Spina Filho

Endereço: Rua Padre Anchieta, 321

Merces – Curitiba – PR – Cep: 80410-030

Telefone: (41) 3352 1904

——————————————————————————–

Bahia

Responsável: João Portela

Endereço: Avenida Tancredo Neves, 1632, Sala 1513 – Torre Norte Salvador Trade Center

Salvador – BA – Cep: 41820-021

Telefone: (71) 3113 2530

——————————————————————————–

Rio Grande do Sul

Responsável: Ayrton dos Anjos

Endereço: Avenida Praia de Belas, 2124 Sala 801 – Praia de Belas, Porto Alegre – RS

Rio Grande do Sul – CEP: 90110-000

Telefone: (51) 3232-2734

——————————————————————————–

Goiás

Responsável: Sabryna Carvalho

Rua João de Abreu, Dq. F8, Lt. 24E, sala B17, 1º andar, Edifício ATON, Setor Oeste de Goiânia

Goiânia – GO – Cep: 74120-110

Telefone: (62) 3954 4544

——————————————————————————–

Brasília

Responsável: Mayra Barros.

SBS Quadra 2 – Bloco E-  Edifício Prime – Sala 607 –Asa Sul

Brasília – DF – Cep: 70070-120

Telefone: (61) 3323-9120

——————————————————————————–

Minas Gerais

Responsável: Philipe Rangel

Rua José Paes de Almeida 950 – Jd Finotti

Uberlândia – MG

CEP 38408-140

Telefone: (34) 3230-6900

——————————————————————————–

Santa Catarina

Responsável: Moriel Costa

Rodovia Amaro Antônio Vieira, 2226 – Itacorubi

Florianópolis – SC

CEP 88034-101

Telefone: (48) 3337-5915

——————————————————————————–

Todos os escritórios da ABRAMUS estão preparados para oferecer:

– Filiação e busca de novos associados;

– Atendimento personalizado aos titulares;

– Verificação de repertório dos associados;

– Contatos com gravadoras e editoras para solicitação de documentação;

– Verificação de créditos retidos;

– Atendimento na utilização do programa SISRC e cadastro de ISRC;

Representante ABRAMUS

Pernambuco

Responsável: José Bartolomeu de Araújo (Recife, PE).

Endereço: Rua Marquês do Herval, nº 167 sala 1209, 12º andar

Sto. Antônio – Recife – PE – Cep: 50020-030

Telefone: (81) 3424 2488

——————————————————————————–

Agentes ABRAMUS

Goiás

Rodrigo Nunes – rodrigo.nunes@abramus.org.br

Mato Grosso do Sul

Lincoln Ben Hur – lincoln.benhur@abramus.org.br

Campo Grande – MS

Mauricio Mello – mauriciomelocompositor@hotmail.com

Santa Catarina

Moriel Costa – moriel.costa@abramus.org.br

Paraná

Marcio Dias – marcio.dias@abramus.org.br